Archive for the ‘ Alternativo ’ Category

ruidos, samples e um cigarro!

Olá, bem vindos a nossa Sexta Feira, Graças aos Deuses!

Hoje, depois de semanas sem PC, volto com toda a serenidade de quem teve que lutar duas semanas com o Pc pra que ele voltasse a funciona0r. E o que me ajudou a relaxar e não jogá-lo pela janela?  a nossa banda de hoje, Portishead!

A banda britânica de trip hop foi formada em Bristol em 1991, quando Geoff Barrow, Beth Gibbons e Adrian Utley se encontraram em uma fila de desempregados. Anteriormente, Barrow havia trabalhado com artistas como Massive Attack e Tricky, Gibbons cantava em pubs e Utley tocava guitarra com artistas de jazz como Big John Patton e The Jazz Messengers. O trio criou o curta To Kill a Dead Man, inspirado em filmes de espionagem, e sua trilha sonora persuadiu a Go! Beat Records a assinar com a banda.

Entre compactos, eps e outros, 3 albuns são de estudio:

  • Dummy (1994)
  • Portishead (1997)
  • Third (2008)
  •  

    Sabe, eu sempre ouvi falar muito de portishead, por alguns amigos e por alguns dos meus ídolos, mas quando era mais novo tipo, quando estava com 14 ou 15 anos ouvi uma música chamada Mysterons, e meu, tava saindo do grunge do pearl jam, de silverchair, pro metal do Ozzy, do Marilyn manson, ou seja, tava na fase mais pirada de um adolescente (não que eu tenha saido dessa fase, mas to melhor agora ^_^). Quando ouvi os primeiros acordes achei um saco e nunca mais quis ouvir denovo… Pois bem… Eis q a um ano e meio mais ou menos ouvi essa música denovo por acaso e a achei muuuuiiiito Foda. Foi uma viagen incrível de sons confusos, melodia e uma voz doce e misteriosa. 

    E esse é o portished, uma viagem diferente a cada música. Uma mistura de samples, com instrumentos, com vozes, com ruidos e vários outros elementos que formam toda uma atmosfera lúdica, misteriosa e absurdamente real.  As musicas são uma mistura de confissão, de desabafo, de provocação.  A cada melodia uma história se forma, me lembra um bom livro ou alguém sozinha em um apartamento no centro de São Paulo, na janela tomando um café ou fumando e olhando as luzes distantes.

    É o tipo de banda q você coloca pra rodar quando quer fazer nada, quando quer ficar a sós consigo mesmo pensando, ou fazendo algo q gosta muito.

    Vc pode estranhar de primeira, por ser um som diferente, mas vale a pena dar uma chance e prestar atenção no som dos caras. Tenha suas próprias sensações, experimente!

    Mysterons – Apresentação ao vivo (resultante no albun ao vivo roseland live NYC)

    Ministério da saúde adverte: fumar causa mal hálito 😉

    Wandering stars – Do albun Dummy (o mesmo de mysterons, baixem esse som, é legal)

    Utilidade ao público
    Site oficial
    Mysapece oficial

    Enjoy!!!
    Té mais!


    @RohThomas

    Anúncios

    Um grande show… Muse

    Olá!

    Bem vindos a tão, tão esperada Sexta-feira!

    Bom hoje seria aquele dia em que a gente pensa: “Putz, bem que podia rolar aquele show amanha né…”. Poisé e hoje viajando na net, pensando exatamente isso, vi uma coisa que me deixou feliz e por vários motivos, que é a possível vinda do Muse ao Brasil na nova fase do The Resistance Tour, do album de mesmo nome. Pô Muse já é bom o bastante pra que vc vá ao show!

    Não? então vc ainda não os conhece…     ^_^

    Muse é uma banda de rock alternativo britânica de Teignmouth, Devon. Formada em 1994, a banda foi originalmente chamada Rocket Baby Dolls. Os seus membros são Matthew Bellamy (vocal, guitarra e piano), Christopher Wolstenholme (baixo, voz secundária e teclado) e Dominic Howard (bateria e percussão).
    Leia mais

    Novidades por vir… Evanescence

    Ahhh Não faz essa cara vai… vamos desmistificar essa coisa de má impressão e descobrir afinal, O que é o Evanescence!

    Bom, é difícil falar da sua banda do coração, porque as vezes a imagem se distorce conforme a emoção que se sente. O Evanescence foi o primeiro contato que tive com uma mundo sem regras do Rock. Onde é possível que guitarras obscuras, riffs pesados e notas de piano façam parte da mesma história. Mostrando q o escuro e a luz vivem no mesmo espaço, portanto a alegria e a tristesa tbm habitam a mesma pessoa.

    Esse é o Evanescence… Guitarras brutas, notas doces de piano. Riffs obscuros e canto angelical. Para quem curte o peso do Rock sem abrir mão da beleza que uma boa música proporciona!

    Leia mais

    Inspiradores

    Olá a todos …
    Hoje o post é dedicado a Pri, uma amiga minha que disse que iria olhar o blog todos os dias !!
    Bom um belo dia estava sem nada pra fazer e decidi entrar no meu myspace, ( que a amiga priscila me ajudou a montar !! hehe.) para ouvir umas músicas novas, e como um estalo na mente pensei – o que será que está rolando de música alternativa na França ? – e na primeira colocação estava uma banda que nunca tinha ouvido falar.


    Leia mais

    Black Drawing Chalks

    A banda de hoje também é nacional!

    São 4 caras de Goiânia que cantam em inglês, e basicamente as músicas falam de mulheres e bebidas (yeah!).
    Formada por Victor Rocha – Guitarra e Vocal, Renato Cunha – Guitarra e Backing Vocal, Denis de Castro – Baixo, Douglas de Castro – Bateria.

    A idéia de formar uma banda começou com Victor Rocha e Denis de Castro durante a faculdade de Design Gráfico (legal hein), logo chamaram Douglas de Castro para se unir e depois Renato Cunha.
    O nome da banda deriva de uma marca alemã de material para desenho. Traduzindo o nome da banda significa “carvões pretos para desenhar”, algo constante na vida deles.
    Leia mais

    Uma inspiração… Nine inch nails

    É isso ai, vamos falar de inspiração… Como disse nosso amigo Wander, somos todos designers e acho que posso dizer por todos que  a música é uma das fontes de inspiração que mais ajuda. Uma boa música sempre te leva onde vc quer ir. Pois bem, essa é uma das bandas q está me inspirando muito ultimamente.

    Não sei se isso acontece com vocês, mas sempre acontece comigo o fato de redescobrir bandas. Conheço o NIN faz uns 5 anos, mas nunca tinha parado pra baixar um Cd ou algo parecido, apenas ouvia as músicas que eu já conhecia ou algumas que eram mais populares. Até que em um dia totalmente em branco, quando vc num é capaz de fazer nem uma droga de macote como o da Dolly, decidi revirar meu arquivo de músicas e achei a All The Love In The Wolrd, um som totalmente indústrial com vários elementos e um vocal quase que sussurrado. Parei pra escultar todos os detalhes, pq esse é o tipo de som em q vc para pra descobrir cada detalhe q forma a música como um todo, e foi ai que viajei muito por vários lugares q ainda não tinha ido (tudo isso licitamente ok… rsrsrsrs).
    Leia mais